Uma Nova Esperança para Star Wars

04-Luke-e-R2-D2

Marcus Vinícius, Coruscant – Meu primeiro contato com Star Wars é bastante antigo. Eu devia ter uns cinco anos e, como nasci bem no ano em que estreou Episódio VI: O Retorno de Jedi, eu só consegui conhecer a saga pela primeira vez já na televisão. A primeira cena que vi foi, na realidade, de O Império Contra-ataca, aquela em que Yoda explica a Luke o que é a Força e de onde vem.

“(…) minha aliada é a Força; e uma aliada poderosa ela é. A vida a cria e a faz crescer. Sua energia nos rodeia e nos une. Seres luminosos somos nós, não esta matéria bruta. Você deve sentir a Força em torno de você. Aqui, entre você, eu, a árvore, a pedra; em toda parte.”

Talvez eu fosse ainda muito novo para entender na plenitude o que aquele pequeno personagem dizia; ele que, mesmo sendo um boneco manipulado pelo grande Frank Oz, tinha uma vivacidade que nenhum CG consegue captar.

star_wars_the_empire_strikes_back_yoda_using_the_force

Antes de qualquer coisa, portanto, eu consegui enxergar Star Wars – à época, Guerra nas Estrelas, mesmo – por algo além de sabres-de-luz, caças espaciais e aventura. Como toda grande saga, ele estava tentando ensinar alguma coisa, transfigurada em sua própria linguagem.

Desde então, Star Wars tornou-se algo grande e relevante em minha vida. Desde pequeno, estive imerso nesse universo; consumindo seus produtos, é verdade, mas também ajudando a moldar o caráter. A clássica Jornada do Herói, estampada com todos os seus passos e repasses, está ali. E, nisso, não há nada de pecaminoso. É curioso como o nome do primeiro filme veio a tornar-se Uma Nova Esperança, porque é justamente essa a sensação que a saga nos passa a apresentar-se e desenvolver-se. Sempre há algo pelo que lutar: só precisamos descobrir o que e como iremos fazê-lo.

Assim como Luke Skywalker (até hoje o meu personagem favorito), treinei para entender como tornar-me uma pessoa melhor e mais completa; um treinamento que nem sempre todos entenderão. Envolverá decisões difíceis, e muitas vezes aqueles que nos rodeiam, não importa quão próximos, talvez nem entendam. O bem, contudo, não é uma tentação; é uma responsabilidade.

Toda essa construção de personalidade preocupou-se quando foram lançados os episódios I, II e III. Os filmes têm seus méritos e alguns bons personagens (Qui-Gon Jinn, estou olhando para você, cara), mas algo estava estranho. Como muitos fãs à época, frissons à parte, faltava aos filmes aquela sensação… Eles não pareciam Star Wars, de certo modo.

O tempo passou e a franquia parecia parada; acontecia alguma coisa ou outra, como quadrinhos, livros, desenhos e jogos, contudo, tudo levava a crer que talvez Star Wars estivesse realmente fadado a continuar na memória e no amor dos fãs. Até que veio a notícia da compra da Lucasfilm pela Disney e, ao contrário de muita gente, para mim foi uma notícia boa. E mesmo quando descobrimos que o Universo Expandido seria descartado de sua característica canônica para tornar-se lenda (o selo Legends, para ser mais exato), ainda mantive-me otimista.

star-wars-7-the-force-awakens-logo-wallpaper-5223

E chegou, finalmente, Episódio VII – The Force Awakens, ou O Despertar da Força; o otimismo foi bem recompensado. Há quem diga que o filme reaproveita muito da estrutura do cineclube sci fi e, em partes essas pessoas não estão erradas. Tem muita coisa bastante parecida: o líder distante, o jovem que recebe o chamado para a aventura e nega inicialmente, o velho tutor, a grande arma, a revelação de uma nova ameaça etc…

Mas isso não é ruim. Antes de qualquer coisa, O Despertar da Força é uma gigantesca homenagem ao que faz de Star Wars… Bem, Star Wars. Todos os elementos que fizeram com que amássemos os antigos filmes, lá atrás, quando crianças, estão de volta, e a sensação de que estamos vendo mais um capítulo da saga fica junto conosco o tempo inteiro. Assim como queríamos estar ao lado de R2D2, queremos a companhia de BB8. Da mesma forma que gostaríamos de estar juntos de Luke, Han, Leia, Chewie e todo mundo na Millenium Falcon, novamente queremos estar juntos de Rey, Finn, Poe, BB8, Han, Chewie dentro da… Millenium Falcon.

Sim, molecada, Star Wars é isso, mesmo

Sim, molecada, Star Wars é isso, mesmo

Aliás, o filme é cheio de fan-services o tempo inteiro. Das obviedades aos detalhes minuciosos que só os mais fanáticos pegarão, O Despertar da Força não poderia ter tido um nome mais apropositado. Dos alívios cômicos aos momentos de tensão, um velho admirador como eu passou todos os minutos de película emocionado. À nova geração, mais uma vez o que Star Wars traz são exemplos de caráter, personagens fortes – principalmente Rey, um exemplo de personagem feminina forte e independente, daqueles que as mulheres merecem tanto – e uma aventura para ficar na memória. Ao mesmo tempo, as teorias correm como loucas pelas mentes do pessoal sobre quem é quem ou o que ou como. E isso é uma coisa boa e faz o filme sobreviver.

Ao final das contas, O Despertar da Força é o Star Wars que queríamos e, mais que isso, que precisávamos tanto. Em tempos em que as histórias “boas” são as que necessariamente possuem reviravoltas, intrigas, incestos e assassinatos, alguém precisava chegar e falar que não tem nada de errado em ser simples. O que a Disney e J.J. Abrams entregaram foi um recado acriançado: “vai ficar tudo bem”.

E houve um despertar, vocês sentiram? Tudo bem ficou, realmente. A Força despertou de maneira gloriosa e lembrou-nos que somos, de fato, muito mais do que essa matéria bruta. E, assim como agora Han, Leia e Luke estão ensinando os novos passos a Rey, Poe e Finn, estamos também nós, o pessoal da velha guarda de fanáticos, trazendo às novas gerações os passos do que é Star Wars, a bordo da Millenium Falcon e com a Força ao nosso lado. “Chewie, estamos em casa”, diria Han Solo. Estamos, mesmo, Han. Estamos, mesmo.

maxresdefault

Estamos em casa

Holonet - Retornar ao Menu Principal

2 Comentários
  1. Que texto incrível! Parabéns, mesmo pela vivacidade. Eu conheci o site hoje, e estou meio como quando o Luke ouve falar da Força pela primeira vez (espantado, maravilhado mas meio perdido).

Deixe uma resposta para Victor Hugo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s