Qui Gon Jinn e Obi Wan Kenobi enfrentam Darth Maul

1 de julho de 2002. Exatos 3 dias antes do meu aniversário de 7 anos. Foi nesse dia que estreou o filme Star Wars Episódio II: Ataque dos Clones. Fui na pré-estreia na meia noite do dia 30 de maio para assistir ao filme. Obviamente quem realmente queria assistir ao filme era meu pai, mas aquele foi o meu primeiro contato com Star Wars.

A verdade é que eu dormi na maior parte da história. Não me critiquem, eu tinha só 6 anos e meia noite é muito tarde para uma criança estar acordada. Então tirei um belo cochilo no cinema. Uma das melhores lembranças que tenho, no entanto, é de acordar com o som de explosões e clarões intensos na tela repetidas vezes enquanto dormia, além de olhar para o lado e ver meu pai sorrindo.

O cinema era enorme para uma criança de 6 anos. E o fato de estar ali com uma das pessoas que mais amo no mundo, fora de casa depois do horário e me sentindo feliz, creio que foram os motivos que me fizeram começar a gostar de Star Wars.

Anakin Skywalker

O segundo contato que tive com Star Wars foi aos 10 anos. Nessa época, se bem me lembro, meus pais já haviam se separado e o fato é que, eu fui com o meu pai (de novo) assistir ao terceiro episódio da nova trilogia. Novamente dormi, mas uma cena ficou guardada na minha memória e tenho certeza que foi ela que, alguns anos depois, me fez ir atrás de saber mais sobre a saga. A cena em que Obi-Wan diz ao mais novo Lorde Sith que ele era como um irmão. Lembro vagamente da legenda passando e eu voltando a me aconchegar na poltrona.

Esses foram momentos marcantes da minha vida, do contrário eu não seria uma fã incondicional de Star Wars. Não é somente pela história, que é fascinante, diga-se de passagem. É pelas lembranças que tenho das duas vezes em que fui ao cinema assistir Star Wars. Eu podia ser pequena demais, nova demais e sonolenta demais, mas ambos os eventos contribuíram, de muitas formas, para a pessoa que eu sou hoje.

Então como poderia eu, a menina que cresceu em meio ao fenômeno da Nova Trilogia, não gostar da mesma?

Muita gente que eu conheço diz que não gosta dela. Inclusive o editor deste especial, responsável por eu estar escrevendo este artigo, Victor Hugo Kebbe, certa vez confessou-me que não gostava.

Anakin Skywalker e Padme Amidala

Qualquer um com olhos e em perfeito uso de suas capacidades mentais pode ver que a Trilogia Clássica é melhor. Por ser revolucionária no campo cinematográfico, por ter uma história diferente, atraente e apaixonante, por ter personagens encantadores… Mas tudo isso não desmerece a Segunda Trilogia.

Toda pessoa que fala mal dela e, consequentemente, de George Lucas, entra para a minha lista de decepções. Não é da conta de ninguém o que ele fez ou deixou de fazer. A obra é dele. Ninguém disse a Leonardo da Vinci como pintar a Mona Lisa. Artistas fazem o que bem entendem e, mesmo Star Wars sendo hoje uma obra de tamanho imensurável, ela ainda é uma maravilha criada nos confins da imaginação de Lucas, local que somente ele tem acesso e, por esse motivo, é o único responsável pela trama. Acho que todos os que se dizem fãs de Star Wars deveriam ser gratos a ele.

Creio que é fácil entender que para mim a Trilogia Clássica, é, de longe, mil vezes melhor. No entanto, ela não pode se tornar um método para comparação. Ambas as trilogias foram feitas em épocas diferentes, com as tecnologias disponíveis cem por cento diferentes e contam histórias diferentes.

Padme Amidala

A Nova Trilogia existe para explicar todas as brechas deixadas na primeira.

Quem nunca havia se perguntado como o famoso Darth Vader havia surgido? Quem nunca se perguntou “quem diabos é a mãe desses gêmeos que foram largados na galáxia?”. É para isso e muito mais que a Nova Trilogia foi criada.

Uma das coisas que mais gosto nela é o fato de humanizarem Lorde Vader. O que todo mundo sempre gostou era que durante toda a vida dele conhecida na Trilogia Clássica fora ele um vilão cruel que se arrependeu depois. Mas até aí é tudo muito clichê. O fato de ele voltar para a “luz” sempre foi esperado. Afinal, ele era o pai do mocinho da história, e no momento em que o mocinho se vê em perigo, a única pessoa capaz de ajudá-lo era o próprio Darth Vader.

Mas na Nova Trilogia mostram um lado completamente diferente de sua personalidade. Mostram a origem do lado sombrio de sua alma, mas também o quanto ele era bom. Que ele era parcialmente bom todo mundo já sabia, mas ninguém nunca soube o quanto. E ninguém nem fazia ideia do porque de ele ser tão detestavelmente cruel.

Yoda

99,9 por cento dos fãs de Star Wars podem gostar do Darth Vader malvado e degenerado que é retratado na Trilogia Clássica. Mas eu prefiro o Anakin arrependido e que vive num eterno conflito interno por ter “matado” a esposa de desgosto e tristeza. Que passa o resto da vida convivendo com uma alma atormentada e que se pega, inúmeras vezes, lembrando da amada.

Também gosto do fato de darem a devida importância à Padmé. No contexto em que a Primeira Trilogia foi criada, o mundo ainda era bem machista, então a mulher não possui espaço algum na trama (abrindo uma exceção para a princesa Leia). Mas isso porque a Padmé é a mãe… Sempre achei um absurdo.

É claro que muita coisa ficou confusa com a criação da Nova Trilogia. Como por exemplo, o fato de surgir Qui-Gon Jinn. Até o aparecimento dele, todo mundo sempre achou que quem havia treinado Obi-Wan fora Yoda. Mas esses são “erros” que são possíveis não levar em consideração.

Darth Vader

Outra coisa que me faz ser ainda mais apaixonada pela Nova Trilogia é o fato de ela “expandir“ o universo de Star Wars. Ela faz com que tenhamos uma visão mais aberta e enxerguemos melhor o que aconteceu, não só no âmbito nuclear da história, em relação a Darth Vader e seus filhos, mas no cenário político da obra.

É possível ver as disputas econômicas e políticas que, orquestradas por um Lorde Sith, deram origem ao tão temido Império. E que, na trilogia antiga, fica muito mais difícil imaginar. Fica tudo muito vago, ainda mais quando se é uma criança inexperiente tentando entender a história.

É lógico que eu amo a Trilogia Clássica. Depois de assisti-la foi que me tornei uma verdadeira fã de Star Wars, mas não posso e jamais irei desfavorecer a Nova Trilogia. Ela tem seus méritos e, para mim, é detentora de um valor sentimental impossível de ser medido.

Angela Sarraceni, especialmente para o Ao Sugo

Victor Hugo Kebbe

Nerd, Antropólogo Japanologista, Bibliotecário do Novo Canon e do Velho Universo Expandido de Star Wars, Dragonborn, Witcher, Vault Hunter, exímio piloto de A-Wing, combatendo os Geth e Reapers até os dias de hoje.

5 comentários »

  1. Também conheci Star Wars no lançamento do Episódio II que também fui com meu pai sendo que quem queria mesmo ver era eu.Na verdade conheci na maratona que o SBT exibiu.Sou fã de Star Wars e defendo a nova trilogia,mesmo com seus defeitos.

  2. Angela, fui ao cinema assistir ao primeiro filme, em 1979, com meu pai, e com 6 anos, quase que exatamente como você. Desde então sou um fã incondicional da trilogia (e posteriormente posso dizer, das trilogias, animações, jogos, etc). Muitos, muitos de meus amigos não gostam da nova trilogia, quando comparada com a do século passado (século passado para dar um toque de antiguidade… rs), mas já discuti muito com eles que essa comparação não faz sentido, seria como comparar Ben Hur e Matrix, não há contexto. São, em minha opinião, duas obras primas, gostar mais de uma do que de outra não tem diretamente a ver com qualidade artística ou técnica, são como dois filhos, diferentes, mas o bom pai não vai amar mais a um do que a outro.
    Quando uma obra abre um novo caminho, como a primeira trilogia fez (primeira que na verdade era segunda), a segunda (que era a primeira) sempre será comparada e não tem como ser tão aclamada. Mas, gosto das duas e conheço muita gente que gosta. Você não está sozinha em sua defesa da história de Anakin…

  3. Angela, excelente seu texto! Sou um desses nerd sebentos fã de carteirinha da Trilogia Sagrada (pra chamar a trilogia clássica desta forma, já viu, né! :p). Realmente não gosto da Nova Trilogia, embora ache o Episódio III muito bom. E te dou dois motivos: 1) o diálogo entre Palpatine e Anakin sobre Darth Plagueis é excelente e único sobre os Sith em todos os filmes; 2) Obi Wan, definitivamente, é o cara. Ewan McGregor arrebentou nos filmes, interpretando muito (mesmo diante de um texto fraco). Mas verdade seja dita, a animação Clone Wars foi a melhor coisa feita com Star Wars nos últimos anos e mais anos.

Deixe um comentário elegante

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s