Cineclube Sci Fi CJRJ – Star Trek VI – The Undiscovered Country

Cineclube Sci Fi CJRJ – Star Trek VI – The Undiscovered Country

Mal pode tomar sua preciosa xícara de café que o capitão da Nave Estelar USS Excelsior, nosso querido George Takei como Hikaru Sulu, leva um chacoalhão espacial Continuar lendo Cineclube Sci Fi CJRJ – Star Trek VI – The Undiscovered Country

5 razões para assistir Jornada nas Estrelas

5 razões para assistir Jornada nas Estrelas

Eis um artigo exclusivíssimo para o Cabaré das Ideias (calma leitores do Ao Sugo que logo, logo vocês poderão ler o artigo lá também) que fiz pensando para meu grande amigo Ben Hazrael. Como todos sabem, somos não só parceiros blogueiros, mas também nerds por vocação, o que não é bolinho não. Apesar de todos acharem que está em alta ser nerd nos dias de hoje, poucos são os nerds de verdade em meio a tanto maluco modista por aí. Continuar lendo “5 razões para assistir Jornada nas Estrelas”

A elegância da Ficção Científica

A elegância da Ficção Científica

Como vocês já devem ter percebido eu e o Marcus estamos investindo até demais em artigos sobre fantasia e contos de fadas. Porém não é sem razão: temos notado que a grande maioria dos visitantes do Ao Sugo, inclusive aqueles que nos encontram pelo Google têm nos procurado justamente por artigos referentes ao tema “fantasia”, gênero artístico muito apreciado por mim e pelo Marcus, evidentemente. Continuar lendo “A elegância da Ficção Científica”

Fascinante

Que sou trekker todo mundo aqui sabe. Sei que sou negligente por demais neste blog ao veicular tão poucos posts sobre Jornada nas Estrelas como deveria, mas tudo isso é medo. Medo de fazer algo ruim, escrever algo que provavelmente não vá corresponder ao meu gosto absurdo pelas séries de Gene Roddenberry. Contudo, todos aqui também conhecem a capacidade lunática dos trekkers em passarem vergonha e mico nas mais diversas oportunidades. Duvida? Continuar lendo “Fascinante”

Conectado no Cyberpunk

Conectado no Cyberpunk

ois é, desde os anos 60 do século passado que a Ficção Científica começava a duvidar do motor que a criou, o progresso e a ciência, reflexo dos problemas sociais e ambientais que começavam a pipocar num nível exorbitante em todo o mundo. Aí surgem os “pais” do que no futuro seria chamado do “Movimento”, posteriormente “movimento cyberpunk”, por exemplo com Philip K. Dick e seus Replicantes em Do Androids Dream of Electric Sheep, livro que posteriormente inspiraria a grande obra do cinema Blade Runner Continuar lendo Conectado no Cyberpunk