Victor Hugo, Jakku – Uma das cenas mais impressionantes dos trailers e do próprio Star Wars – O Despertar da Força, é num amplo deserto entulhado com destroços de uma grande batalha espacial e terrestre. Um grande Destróier Estelar Imperial ocupa grande parte do quadro, nos levando a imaginar que batalha aconteceu no remoto planeta Jakku.

O descampado, povoado de destroços de naves colossais, caças, andadores imperiais, apareceu como DLC (Downloadable Content) gratuito para o recém-lançado Star Wars Battlefront, um dos jogos mais esperados de 2015, como já apresentado aqui no Ao Sugo. Pretendo aqui apresentar rapidamente a batalha, tão importante no mundo de Star Wars e, tão pouco comentada por aí em português.

Antes de mais nada e, como já comentei em vários outros artigos do Universo Expandido e do novo cânon de Star Wars, a batalha entre o Segundo Império Galáctico e a Aliança Rebelde não acabou em Endor, como muita gente pensou após o final de Star Wars VI – O Retorno de Jedi. A Nova República, como assim foi instaurada, ainda teria que conter muito quebra-pau em várias partes da Galáxia Conhecida contra forças imperiais remanescentes, um Império Galáctico estilhaçado que ainda contém focos de grande poder.

Entenda bem. Imagine grandes centros de controle imperial, com vários destróieres estelares em órbita, inúmeras naves de suporte da classe Victory, com contingentes exorbitantes de caças TIE (Twin Ion Enginede todos os tipos, andadores imperiais como os AT-ATs (All Terrain Armored Transport) e AT-STs (All Terrain Scout Transport) e batalhões e mais batalhões de Stormtroopers e oficiais imperiais…

Agora imagine focos destes distantes do Centro Imperial em Coruscant, cujas notícias precisam de mais fatos do que os normais para serem corroboradas… E por fim, imagine Moffs (governadores indicados pelo Imperador Palpatine), almirantes, capitães, entre outros, secos para aproveitarem a oportunidade de mandar em tudo isso agora que o chefão caiu… Tá explicado.

Após localizar uma grande base imperial em Jakku, as forças da Nova República decidem fazer uma investida maciça ao planeta, porém sem saber que os imperiais já sabiam do ataque. Um dos objetivos era encontrar e aniquilar os planos de construção dos destróieres estelares, as poderosas armas de guerra imperiais que são sempre a ponta de lança nas batalhas contra os rebeldes.

O Grande Moff Randd, com o auxílio da Capitã Ciena Ree, elaboram uma contra ofensiva militar de grande peso em Jakku, sendo um grande ponto de virada entre o Império e a Nova República. Com forças superiores no início da batalha, o Império acabou perdendo graças às estratégias inovadoras da Rebelião.

O maior monumento deixado pela batalha de Jakku é o Destróier Estelar Imperial Inflictor. Depois de perceber a supremacia rebelde, a Capitã Ree ordenou a queda e auto-destruição da nave imperial na superfície do planeta. A queda ocasionou várias ondas de choque no planeta, sendo um símbolo da derrota decisiva do Império. No novo cânon de Star Wars, foi com o fim da batalha de Jakku que foram assinados os primeiros acordos de armistício entre as duas facções.

Apresentada no livro Star Wars – Estrelas Perdidas, de Claudia Gray, a Batalha de Jakku foi transportada para o mundo dos games com o novo Battlefront, sendo um dos mapas mais concorridos em número de jogadores. Nele os jogadores são postos à prova num campo de batalha truncado, cujas naves tombadas servem de abrigo improvisado é altamente disputado. Não se pode ficar abrigado por muito tempo nesses escombros, nem para aqueles que jogam como franco-atiradores, sob risco de um ataque orbital iminente.

Foi lançada na última semana uma série de vídeos feitos por jogadores dentro do ambiente do Battlefront, disponíveis semanalmente pela EA. Escolhi o da Batalha de Jakku como exemplo, para que vocês possam ter noção da dimensão desta batalha, tão importante, tão pouco comentada. Para quem não leu o livro e não pode jogar Battlefront, as cenas de Jakku e do Destróier Inflictor podem ser vistas em O Despertar da Força, quando a Rey aparece sucateando o já poderoso destróier estelar. Sua casa é, nada mais, nada menos, que a carcaça de um AT-AT, tombado no deserto tal qual uma ossada colossal de tempos jurássicos.

Para aqueles que puderem visitar Jakku, seja no livro de Claudia Gray, seja no Battlefront ou no filme, observem com cuidado. Talvez ainda seja possível encontrar um caça X-Wing intacto no meio de tamanha destruição. Se acharem, por favor, falem aqui nos comentários. Que a Força esteja com vocês.

Holonet - Retornar ao Menu Principal

Deixe um comentário elegante

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s