Revolta dos Camponeses, 1381Imagem: Revolta dos Camponeses, Inglaterra, 1381

Somos constantemente bombardeados por informações e leituras errôneas do “nosso passado” (entre aspas, pois isso é meio maluco, ser colocado em linhagens históricas e relacionado com pessoas que nunca conheci na vida…). Um dos exemplos mais interessantes se refere às cores das construções gregas e romanas que, até há pouco tempo, todo mundo imaginava serem brancas. Isso foi parar nos livros de escola e até desenhos animados, como o saudoso Ducktales, para ser sumariamente desacreditado com os avanços nos estudos arqueológicos e históricos. Tudo era muito colorido, sim senhor.

Para os nerds RPGistas como eu, outra disputa ocorre em torno do imaginário da Idade Média européia, atualmente na moda graças ao sucesso dos livros, filmes e seriados de fantasia como Game of Thrones e Senhor dos Anéis. Olhem só, sobre as lendas arturianas, temos o emblemático e horrível filme Excalibur, dos anos 1980, com armaduras cristalinas e um mundo literalmente saído das fadas, em confronto com Brumas de Avalon e os livros de Bernard Cornwell, trazendo um mundo sujo, encardido, fedido e mais “realista”. Tal estética do “realismo exagerado” do medievalismo domina o mainstream, como se fosse algo mais “verossímil” diante da nossa sociade atual tão civilizada e pirilimpimpim. Bullshit.

Rainha Mary Psalter, Inglaterra, c. 1310–1320Imagem: Rainha Mary Psalter, Inglaterra, c. 1310-1320

No livro The Time Traveller’s Guide to Medieval England: A Handbook for Visitors to the Fourteenth Century, o historiador britânico Ian Mortimer se debruça sobre os mitos e verdades do cotidiano medieval inglês. Arquivista e Fellow da Royal Historical Society e, com base nos mais recentes achados históricos, Mortimer rebate uma série de equívocos tão impregnados nesse nosso imaginário, apresentando a sociedade medieval de modo nunca antes visto. Nunca foi tão divertido ler um livro de história, além de ter sido uma surpresa ao descobrir que nossos camaradas medievos eram muito bem limpos e neuróticos com higiene, sim senhor.

The Time Traveller’s Guide to Medieval England: A Handbook for Visitors to the Fourteenth Century é escrito como se fosse um guia turístico, porém considerando que o leitor teria voltado no passado. Ao chegar na Idade Média, o leitor encontraria isso, isso e aquilo, aspectos do dia a dia medieval que não são ensinados na escola. A narrativa de Mortimer lembra muito a narração de um bom mestre de RPG, descrevendo para os jogadores o cenário e a ambientação para que possam imaginar onde estão, como seria e o que poderiam fazer.

Torre Medieval de LondresImagem: Torre de Londres, século XV

O livro aborda temas que vão desde a higiene, religião, comércio, a Peste Negra até quando você entra numa taverna procurando o que comer e beber, tudo entremeado com um sutil toque de humor britânico que deixa a coisa toda muito divertida. Nunca teria imaginado em vida que gostaria de um livro cujo um dos capítulos se chama “pontes”, para vocês terem ideia do quão impressionante é o guia.

Mortimer me fez resgatar parte daquele imaginário anterior que eu tinha da Idade Média antes dessa estética atual do “realismo exagerado”, o que, sem sombra de dúvidas, é uma interpretação anacrônica, política e tendenciosa da nossa história. Aparentemente, é bastante difícil para nós, tão acostumados com iPhones, Blurays, Internet e tantas outras sofisticações contemporâneas, em acreditar que os medievos seriam igualmente sofisticados, porém de maneiras diferentes. É a mesma coisa que falar que os alienígenas teriam construído as Pirâmides porque os egípcios eram uns ignorantes. Bullshit.

Eis uma das melhores leituras de 2014, recomendável não só para os fãs de história, mas muito legal para quem curte esse período, imaginário e afins. Mestres e jogadores de RPG vão se deliciar com a empreitada, garanto.

Victor Hugo, o Bobo da Corte

Victor Hugo Kebbe

Nerd, Antropólogo Japanologista, Bibliotecário do Novo Canon e do Velho Universo Expandido de Star Wars, Dragonborn, Witcher, Vault Hunter, exímio piloto de A-Wing, combatendo os Geth e Reapers até os dias de hoje.

Deixe um comentário elegante

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s