Transistor 0

Um videogame tradicional começa mais ou menos assim: você tem que salvar o mundo, resgatar a princesa, derrotar o Império Intergaláctico, conter a Horda (sempre), ou até mesmo empilhar coisas que caem do céu em prol do transtorno obsessivo-compulsivo. É tudo muito claro e vem escrito no verso da caixa, você está aqui, tem que fazer isso, chegar ali, etc.

Transistor é um jogo Indie que, talvez por ser Indie, não precisa se ver refém dessa lógica-mercado-lógica dos objetivos arroz-feijão. Você começa a aventura sem saber seu nome, onde está, o que está fazendo, o que deve fazer, a não ser ser surpreendido por uma arte exuberante e uma trilha sonora primorosa. Sério, não estou brincando.

Transistor

Desenvolvido pela Supergiant Games, famosa pelo tão falado Bastion, Transistor é um jogo que coloca o jogador no papel de Red, uma cantora que vive numa realidade distópica em que a Camerata, os governantes da cidade de Cloudbank, podem modificar o clima e criar tantas benesses conforme os anseios da população. Até chegar o Processo.

Por alguma razão misteriosa (e por isso que você vai jogar Transistor), a Camerata se aliou ao Processo numa iniciativa perversa de… formatar a realidade. Cabe a Red, enquanto uma das únicas pessoas capazes de desafiar a Camerata, descobrir o que está acontecendo, carregando consigo uma arma poderosa (e igualmente misteriosa), o Transistor. Não, ela não é uma mulher musculosa armada até os dentes como nos clichês do mundo dos jogos. Ela é uma cantora de cabaré que teve a voz roubada pelo Processo.

Transistor

Imagine um jogo atmosférico, poético e de grande imersão, propiciada não apenas pela música de Darrin Korb e pela voz de Ashley Barrett, mas pela arte impressionante de Jen Zee. Superando o seu próprio trabalho em Bastion, este todo desenhado à mão, em Transistor é possível vivenciar e se sentir dentro de Cloudbank, tudo dentro de uma perspectiva isométrica que nunca tinha visto antes.

São vários planos de iluminação, deixando o jogador (ou telespectador) envolto em uma atmosférica fantástica. Apesar de ser um jogo de mecânica relativamente simples, é a arte que carrega e pede uma placa de processamento gráfico razoável do computador.

Transistor

Um paralelo interessante: na época troquei Diablo III por Transistor, não apenas porque os patches anteriores de D3 estavam comendo o processamento do meu notebook, mas também por conta do formato arroz-feijão do jogo. O que chega a ser uma vantagem, o descompromisso do jogador para com o envolvimento no jogo, chega também a ser uma desvantagem, dada a dificuldade em se identificar com seu personagem e sua importância na trama.

Já em Transistor, temos algo diferente. Como um bom filme ou um bom livro, você enquanto jogador é levado a se entranhar cada vez mais na narrativa, instigado para descobrir o “fim da história” enquanto ela vai sendo belamente apresentada na sua frente. O final é surpreendente e totalmente inesperado, o que me deixou com aquela sensação de, ok, valeu toda a experiência. Eis um dos melhores jogos de 2014, sem sombra de dúvidas.

Victor Hugo, capturado pelo Processo

Deixe um comentário elegante

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s