Não sei por quê, mas acontece todo ano. O prospecto é o mesmo, eu pego essa febre maluca por Star Wars que dura alguns meses. Durante este período, assisto e re-assisto todos os filmes (a Trilogia Clássica em especial), as animações, leio e releio vários livros da saga, quadrinhos, escuto repetidamente as trilhas sonoras, tento jogar e jogar mais ainda alguns dos jogos da franquia… Têm sido exatamente a mesma coisa desde 1997, quando tive a oportunidade de me tornar um grande fã de Star Wars.

Lembro-me como fiquei feliz após comprar meu box em VHS da Edição Especial – Star Wars Trilogy. Custou uma grana lascada para um adolescente como que era na época e aquilo acabou se tornando uma espécie de amuleto ou ídolo aqui em casa. Eu sei que soa excêntrico (ou esquisito, não posso culpá-lo), mas desde então, Star Wars se tornou parte da minha vida, experiência que um fã adora sentir de tempos em tempos.

Fico realmente feliz em dizer que a minha última “febre” por Star Wars começou com um maço de cartas velhas. Ok, não apenas cartas velhas, mas um jogo de cartas colecionáveis da década de 1990 que foi um grande sucesso naqueles tempos. Vocês sabem, moro no Brasil e era realmente complicado conseguir esse tipo de coisa nerd naquela época. Jogos de cartas? RPGs? Livros nerds? Bem, na década de 1990 tudo isso era incrivelmente difícil de conseguir por estas bandas, com a exceção de algumas nostálgicas e amáveis lojas especializadas, escondidas aqui e ali como lugares mágicos ou místicos.

Dias atrás fui convidado para uma dessas convenções de Mangá e Anime. Naquela oportunidade eu encontrei uma lojinha bastante especial cujo proprietário estava vendendo cartas novinhas em folha do Star Wars Customizable Card Game. Como sabia que era uma incrível raridade aqui no Brasil, comprei ao menos 240 cartas… Pretendia manter estas cartas super bem protegidas como se fosse o meu próprio Santo Graal. Junto com os meus livros de Star Wars, DVDs, Blu-Rays, action figures e meu elmo do Darth Vader, estas cartas estavam representando a minha vida na Força, como dizem as próprias regras deste jogo…

Imediatamente após comprar todas as minhas cartinhas-velhas-novinhas-de-17-anos-atrás eu procurei na internet por artigos, dicas, macetes e tudo o mais que pudesse existir a respeito do assunto. Não estou muito certo sobre o que aconteceu naquela hora, mas o primeiro artigo que li a respeito era justamente o de Mike Eaton: Star Wars CCG: Uma Lição de Escolha. O artigo de Eaton tinha uma qualidade impressionante que não pode ser encontrada todos os dias por aqui na internet: o texto de Eaton fazia você perceber a sua antiga paixão pelo jogo.

Apesar de ter 240 cartas da Edição Premiere (atualmente, 4 decks para iniciantes; cada deck consiste em 60 cartas sortidas), encontrei os mesmos problemas de Mike. Eu não tinha nenhuma nave mega poderosa. Eu não tinha nenhum personagem poderoso… Sabia que era uma grande questão se pensarmos que o jogo é difícil de encontrar aqui… nem preciso dizer o quanto apanhei na minha primeira partida com aquele deck… Fim do jogo? Não, de modo algum.

Depois de seguir as idéias do Mike (e suas poderosas palavras, devo dizer), comprei do mesmo cara alguns pacotes de cartas da série SW – Jabba’s Palace. Estava chocado como tinha um jogo diferente em mãos, com todos aqueles salafrários e cafajestes de Tatooine, mas nenhuma das naves ou personagens poderosos que eu tanto queria. Deixei a loja ligeiramente desapontado, sabendo que estava em apuros.

Poucos dias depois aquele vendedor me contou sobre uma caixa chamada Second Anthology que estava guardando para um comprador especial… Ele me mostrou a caixa dourada, que me lembrou imediatamente da minha caixa dourada da Edição Especial, a dos VHS lá… Eu não sabia o que tinha dentro da caixa em si (era novinha, lacrada!), mas não importava mais. Senti as mesmas coisas daquela época quando me tornei fã de Star Wars. Comprei a caixa na hora e carreguei nas mãos como se fosse feita de um cristal super frágil, segurando não uma caixa de cartas velhas, mas sensações e sentimentos nostálgicos de muito tempo atrás, em uma Galáxia muito, muito distante.

Naquela caixa encontrei o meu primeiro Destróier Estelar e a nave do Almirante Ackbar, mas o mais importante, ativou a minha “febre” por Star Wars novamente. Cada carta – com imagens impressionantes – me fez rever o Episódio IV, só pela lembrança… E foi como uma reação em cadeia: depois daquilo estava assistindo aos episódios V e VI, comprando mais livros e mais cartas… E criando este Especial Star Wars do Ao Sugo!

O jogo Star Wars CCG consiste em dois jogadores duelando pela clássica disputa entre o Bem e o Mal. A Galáxia está dividida e cada jogador representa o Lado da Luz (os mocinhos, a Aliança Rebelde) ou o Lado Sombrio (os bandidos, o Império Galáctico), lutando para controlar planetas e lugares específicos. Esta divisão maniqueísta se mostrou enquanto um grande avanço em relação ao jogo anterior da Decipher, o Star Trek CCG… agora estava tudo claro e você sabia exatamente o que precisa fazer: lutar pelo equilíbrio na Força.

Diferente da maioria dos jogos de cartas, SW CCG combina jogo de cartas com jogo de tabuleiro. Cada jogador saca e coloca na mesa cartas de lugares e planetas onde seus personagens, alienígenas, naves e veículos podem andar, defender, etc. Assim, você pode literalmente despachar um exército de Stormtroopers em algum lugar de Tatooine, ou pode mesmo invadir a Estrela da Morte com suas forças da Aliança Rebelde. Cada personagem pode interagir com o outro, você pode equipar seus heróis com Blasters, Sabres de Luz, suas naves com poderosos canhões de Próton, etc… Neste sentido, SW CCG oferece uma ampla gama de possibilidades para que os jogadores criem suas estratégias e curtam as suas próprias aventuras à la Star Wars.

Uma das coisas mais interessantes no Star Wars Customizable Card Game é quando você constrói o seu próprio deck. É insano, mas é uma experiência que faz você “jogar o jogo” sozinho antes mesmo de jogá-lo com qualquer outro adversário. É como o Mestre em Dungeons & Dragons (ou qualquer RPG): se você é o Mestre, você adentra e curte a aventura antes de todo mundo. Em SW CCG você precisa estudar e combinar suas cartas, naves, personagens, etc, para fazer um belo deck.

Concordo plenamente com a idéia de Mike Eaton: Star Wars Customizable Card Game é um jogo especial. Não é como o banco Imobiliário em que você precisa seguir regras rígidas e um caminho predeterminado impresso no tabuleiro. Com SW CCG você precisa pensar e construir o jogo como sendo seu. Assim como os RPGs de Star Wars, é sua chance de criar suas próprias aventuras de Star Wars com um pequeno maço de cartas. Mas cartas repletas com a própria Força. Em uma Galáxia dividida, o quê você está esperando para nos ajudar na batalha pela Força?

Darth Victor

Victor Hugo Kebbe

Nerd, Antropólogo Japanologista, Bibliotecário do Novo Canon e do Velho Universo Expandido de Star Wars, Dragonborn, Witcher, Vault Hunter, exímio piloto de A-Wing, combatendo os Geth e Reapers até os dias de hoje.

5 comentários »

    • Olá Pedro,

      Geralmente você pode encontrar essas cartas em lojas especializadas de quadrinhos, RPGs, etc, mas tem que garimpar dada a raridade delas hoje em dia. A série já foi encerrada faz mais de 1 década, aí fica cada vez mais difícil.

      Meu último box, The Empire Strikes Back (com 2 decks e cartas raras) eu comprei diretamente na Amazon, pois não conseguia achar por aqui. Eu sei que ainda é possível encontrar aqui no Brasil os decks e boosters da Premiere Edition (a que você vai precisar para montar decks básicos) e boosters da Jabba’s Palace (com os Caçadores de Recompensas e Salafrários do Retorno de Jedi), em lojas de Campinas e São Paulo (acredito que tenha no Rio também).

      Espero ter respondido. Qualquer coisa é só nos contatar novamente!

      Abração,

      Victor Hugo

  1. Salve! Sou colecionador e completei quase todas as series desse cardgame. Só faltam algumas cartas de Theed Palace e Coruscant. Tenho muitas cartas para troca ou venda. Dificil mesmo é achar alguem para jogar…
    att,
    Valter – Curitiba

    • Ah, de fato, Valter, é muito difícil encontrar jogadores. Eu mesmo me vejo em meio a esse problema, mesmo conversando com o dono da loja onde compro minhas cartas. fiz questão de comprar e importar algumas coisas do SWCCG por conta não só da nostalgia, mas também pela raridade e por ser um jogo publicado antes da Nova Trilogia, o que redefiniu algumas coisinhas pequenas inclusive no Universo Expandido de Star Wars (por exemplo, se fosse um jogo posterior, não duvide nada da possibilidade de encontrar um Anakin Skywalker do Hayden Christensen colocado à força no contexto, entre outras coisas…).

      A minha mais nova aquisição é o Middle-Earth: The Wizards CCG. Comprei o jogo também por ser pré-trilogia de Peter Jackson, com um visual totalmente diferente do proposto pelos filmes e que, de uma forma ou de outra, pasteurizaram todo o imaginário da Terra-Média desde então. Agora Legolas É Orlando Bloom maquiado, assim como o Gandalf É Ian McKellen, eliminando ou rareando as possibilidades de encontrarmos novas ilustrações e tudo mais… Qual é o problema? A falta de jogadores… Magic e Pokémon dominam o mercado, ao ponto de termos em mãos (com o SWCCG e o METWCCG) raridades voltadas para um nicho muito específico…

      Se quiser, envie um email para a nossa seção de Contato com mais dados sobre a sua coleção, aí podemos divulgar na página do Ao Sugo no Facebook. Sinta-se livre para utilizar o espaço nesse sentido, pois vai que você encontra jogadores também!

      Abração,
      Victor Hugo

Deixe um comentário elegante

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s