Early in the 21st Century, the Tyrell Corporation advanced Robot evolution into the NEXUS phase – a being virtually identical to a human – known as a Replicant.
The NEXUS 6 Replicants were superior in strength and agility, and at least equal in intelligence, to the genetic engineers who created them.
Replicants were used Off-world as slave labor, in the hazardous exploration and colonization of other planets…

– Blade Runner

É bastante notório para nós, fãs de Jornada nas Estrelas, visualizarmos o futuro da humanidade como algo grandioso, um mundo livre da fome, da pobreza e das doenças que nos assolam nos dias de hoje. David Gerrold[1] já afirmou  sobre o aspecto de transcendência dos seriados de Jornada nas Estrelas justamente por todos eles focarem esta visão utópica do nosso futuro, uma vez que, voltados à exploração de novos mundos, novas vidas e novas civilizações teríamos abandonado – ao menos deixado de lado – alguns dos piores vícios do Homem.

Tendo em mente esta visão bastante otimista dos dias vindouros (talvez o grande apelo que conquistou por certo muitos fãs de Ficção Científica ou não lá por volta de 1976), o ano de 1977 ficou marcado pelo choque: surgia nos cinemas Star Wars com uma visão nada boa da humanidade. Como não? Pensem: tecnologia bastante avançada, porém símbolos do futuro e paradoxalmente da decadência, do autoritarismo do Império Galáctico…  ou seja, a humanidade estaria condenada talvez pelo progresso e pela Ciência, algo que tanto valorizamos há pelo menos 200 anos… Mas não, estou muito longe de querer colocar Star Wars no meio da produção cyberpunk, não tem nada a ver, apenas queria mostrar que várias pessoas nas décadas de 1960 e 1970 pensavam num futuro problemático…

Pois é, desde os anos 60 do século passado que a Ficção Científica começava a duvidar do motor que a criou, o progresso e a ciência, reflexo dos problemas sociais e ambientais que começavam a pipocar num nível exorbitante em todo o mundo. Aí surgem os “pais” do que no futuro seria chamado de movimento cyberpunk, por exemplo com Philip K. Dick e seus Replicantes em Do Androids Dream of Electric Sheep, livro que posteriormente inspiraria a grande obra do cinema Blade Runner (e que no Brasil ganharia a tradução porca de O Caçador de Andróides) , ainda visto injustamente com receio por muitas pessoas (e que, depois merecerá um outro artigo meu comentando sobre as diferenças – gritantes – entre o livro e o filme de Riddley Scott). De qualquer maneira, as bases deste “movimento” estariam fundamentadas portanto não na utopia propiciada pelo avanço tecnológico, mas sim numa distopia, uma visão degenerada do futuro em que a humanidade estaria colhendo os frutos – e por que não dejetos – de todo este progresso científico e industrial que ela mesmo criou.

Pois bem, em 1983 o termo “cyberpunk” seria criado por Bruce Bethke e popularizado por Gardner Dozois para identificar este novo ramo da Ficção Científica que encarava o futuro da humanidade de modo extremamente pessimista, com grandes cidades super povoadas, poluição de todos os tipos, doenças diferentes, drogas diferentes – mais poderosas e amplamente distribuídas, mundo em que a ciência e tecnologia de ponta seriam capazes de fazer verdadeiros milagres como a realidade virtual plena, a Inteligência Artificial, etc, ao mesmo tempo que seria uma faca de dois gumes ao produzir novos tipos de viciados, technautas presos ao cyberespaço e à imaterialidade do mundo virtual.

A primeira frase do livro que marcou o surgimento do movimento cyberpunk – Neuromancer, de William Gibson, demonstra com bastante pessimismo o futuro: “O céu por cima do porto tinha a cor de uma TV ligada num canal fora do ar”[2] , um céu nublado, cinza, coberto pelos gases das grandes indústrias, pela poluição feita pelos carros e por aí vai. Hoje em dia muitas pessoas encarariam o cyberpunk como prenúncio do nosso presente ou mesmo enquanto um movimento visionário que de fato está acontecendo, aos poucos. Duvida?

Pensemos na realidade cotidiana apresentada em Neuromancer por exemplo. Um mundo dominado pelas grandes corporações, globalizado pelos transportes, comércio e telecomunicações, onde pessoas teriam acesso em tempo real ao que acontece em qualquer canto do planeta, só poderia mesmo existir uma população – majoritariamente urbana – alienada: como já dizia um dos grandes pensadores da sociologia alemã Georg Simmel, uma das características do mundo moderno nas cidades é que, frente a tantos símbolos e sinais a serem interpretados pelos nossos sentidos, só poderíamos encarar o cotidiano com apatia. Imaginem um dia de trabalho numa grande metrópole infestada de gente por todos os lados, 24 horas por dia, com um céu cinzento, com um barulho infernal nas ruas por conta do trânsito… você só poderia mesmo tentar ignorar tudo isso ou encarar de modo apático esse estilo de vida para poder continuar e enfrentar o próximo dia, não é? Bem, quem diria, se era um prenúncio de um futuro não muito distante, me parece uma descrição muito boa de um dia na cidade de São Paulo de hoje…

Esse pessimismo todo no final das contas possui um fundamento, uma quase ideologia, um objetivo do tipo “psicologia reversa” bastante eficiente, a reinvenção da humanidade talvez. O quê, como? Pois é, esse industrialismo exacerbado, esse progresso sem fim, uma vida rodeada por máquinas e por tecnologia deveria talvez forçar os humanos a se pensarem novamente, a se reinventarem. Não estou de brincadeira, já que esta visão já é partilhada por vários pensadores das Ciências Humanas (dilema já chamado por nós na academia como paradoxo da ciência), como tentaremos mostrar para você leitor nos nossos artigos do Portão de Tannhauser. Essa é a lógica mais plausível para o Blade Runner, em que homens, em contato com máquinas que imitam homens, se reafirmam definitivamente enquanto homens e assim reafirmam a humanidade.

Para irmos direto ao livro de Dick, “sonhar” com animais não-artificiais seria apenas a ponta do icerberg para pensarmos na complexa dicotomia entre “homem e máquina”, sentida agora na pele por nos confrontarmos com outros seres humanos… artificiais. Complicado, eu reconheço… Nesse sentido, longe de ser apenas mais um fenômeno artístico-literário da “contra-cultura” dos anos 80 (seja lá o que for isso), o movimento cyberpunk teria como ponto de partida a introspecção do leitor, telespectador, observador em encarar todas as atrocidades que estamos cometendo para, quem sabe, parar, nos dar uma nova chance, dar uma nova chance à humanidade. Isso, falar de Replicantes não quer dizer  refletir unicamente na condição destes novos seres não-artificiais na sociedade contemporânea, mas sim refletir de fato no estatuto de uma humanidade em constante mutação. No fundo, nem é tão pessimista pensar assim, não é?

Victor Hugo, Technauta

Sony Center de Berlin (incidências do movimento cyberpunk na arte e arquitetura)

Notas:

1 – BLISH, James & LAWRENCE, J.A. 1997. Star Trek – Episódios da Série Clássica Adaptados por James Blish, São Paulo: Editora Mercuryo

2 – GIBSON, William. 2006. Neuromancer, 3ª Edição, 4ª Reimpressão, página 11

 

Victor Hugo Kebbe

Nerd, Antropólogo Japanologista, Bibliotecário do Novo Canon e do Velho Universo Expandido de Star Wars, Dragonborn, Witcher, Vault Hunter, exímio piloto de A-Wing, combatendo os Geth e Reapers até os dias de hoje.

9 comentários »

  1. se me chamasse Victor, provavelmente, começaria o comentário com algo tipo “bem típico de um emo como você”.

    mas, brincadeiras – ou nem tanto – à parte, gostei do texto.
    ainda lembro do dia em que comentávamos o neuromancer na casa do café e, de certo, acho que esse artigo só vem a confirmar tua posição enquanto leitor – e, por que não, simpatizante (no bom sentido do termo)? – do movimento?

    particularmente, como sugestão para futuros escritos, já que sugere o contemporâneo, deixaria o paralelo entre as visões cyberpunk dum mundo com seus cidadão apáticos q prometia um futuro não promissor (hehe) e hoje, dum presente não promissor que promete um futuro redentor (leia-se, principalmente, a onda ‘verde’ de sustentabilidade tão largamente difundida e seus ideais de possibilidade de mudança a partir da participação individual – afinal, VOCÊ faz a diferença. hehe)

    abraços, Victor

  2. “….humanos a se pensarem novamente, a se reinventarem”
    “…..frente a tantos símbolos e sinais a serem interpretados pelos nossos sentidos, só poderíamos encarar o cotidiano com apatia”
    só o pelo punk incluído no nome já dá pra ver a “distopia”.
    futuro desorganizado,….bem nóia de cultura americana…globalização que acaba no cyberpunk…..penso??? Final feliz ou infeliz????
    Legal o texto Vitão.
    parabéns!!!!!!!

  3. Confesso que nunca fui super interessada no movimento cyberpunk, apesar de gostar muito de ‘Blade Runner’ (que preciso reassistir, por sinal). Mas também confesso que eu tenho uma visão muito similar à do movimento. Essa coisa pessimista com intenções redencionistas. Eu acho que é bem por aí mesmo. Tentar fazer as pessoas pensarem através do tratamento de choque. rs. Mas me atrevo a dizer que me julgo ser até mais pessimista, pois não tenho visto grandes impulsos no mundo em mudar esse provável futuro.

    Fora esse lance “verde” supracitado. Mas meu pessimismo é tanto que acho até difícil que toda essa discussão de sustentabilidade consiga um futuro tão promissor assim. Eu até tento sempre fazer a minha parte, mas ando meio desacreditada nos humanos em geral. Acho que por isso que gosto tanto do gênero “fantasia”, onde posso me esquecer do mundo cão por um tempo…

    (não se assuste, não odeio a minha vida)

  4. O problema da modernidade foi ter levado a divisão social do trabalho ao nível do conhecimento. Hoje em dia cada um tem um conhecimento muito específico (quando tem!) sobre as coisas e o conhecimento se tornou algo tão incomensurável que é praticamente impossível formarmos uma visão coerente da totalidade. Pessoas que tentam fazer isso acabam criando algo praticamente incompriensível para as outras pessoas (veja Habermas).
    Mas no fim, a crise nos levará a uma nova ordem. Que provavelmente entrará em crise (sem levar necessariamente ao socialismo…).

    • Muito obrigado pelo comentário. Aproveite para dar uma olhada na nossa seção Portão de Tannhauser, dedicada exclusivamente ao Movimento Cyberpunk. Dei uma olhada no Cyber Cultura e achei muito bom, passarei lá mais vezes.

      Vida longa e próspera,

      Victor Hugo Kebbe

  5. Não sois máquina, homem é o que sois.
    Charles Chaplin nessa parte da frase de O Grande Ditador, poderia ser considerado o avô do pessimismo futurista com relação entre homem e máquina?

    Tenho pra mim que ele de fato vislumbrou o prelúdio de uma civilização cada vez mais automática, programada o que na verdade acontece atualmente.

    Quando eu ligo a TV tenho de reconhecer ela me “liga” também, e as vezes sem perceber penso que tenho o controle nas mãos porém de quem de fato está sendo controlado à achar que controla algo?

    Obrigado pelo espaço excelente matéria.

Deixe um comentário elegante

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s